Levados pela mão - Uma pedagogia ao serviço da catequese 7

IV.3. A PERSONALIZAÇÃO E ONOVO EVANGELHO (cont.)
Aproximar-se do homem Jesus Cristo (1 Tm 2,5) é apreciar n’Ele um verdadeiro homem, semelhante a nós em tudo excepto no pecado (Hb 2,17; 4,15). Uma pessoa com um rosto que se aproxima do nosso, com uns sentimentos semelhantes aos nossos, com gestos peculiares que tornam mais próxima a resposta ao convite de Deus. Uma proximidade que faz crer ao homem que n’Ele é possível comunicar-se com Deus. Esta aproximação a Jesus supõe olhá-lo com olhosnovos, que não se centram somente no conhecimento ou no aspecto intelectual, mas que implicam toda a pessoa. Implica fazer um caminho formativo, segundo propõe Edith Stein, para assimilar ao máximo a Imagem de Cristo, de modo a criar uma “forma interior”[1], capaz de se formar a partir de dentro, do mais profundo do ser humano. O processo catequético não é simplesmente a descoberta de uma pessoa que deslumbra, é uma proposta pedagógica para que a contemplação de Cristo resulte numa forma dinâmica e performativa graças à acção de Deus no homem. O discípulo descobre nos gestos de Jesus um amor que o anima e um desejo de se identificar com Ele. O seu testemunho maior foi o do amor até ao sacrifício total (Jo 13,15.34). Imitá-lo neste amor, está ao alcance da pessoa, apenas se o Mestre der o seu Espírito. (cont.)

M. Eugenia Sierra

 

[1] Cf. Ed. Stein, Obras completas, IV, 193