Benção das Pastas 2020 - Homilia de Dom Virgílio

MISSA DA BÊNÇÃO DAS PASTAS - 2020
CAPELA DE SÃO MIGUEL DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA
XVII DOMINGO COMUM A

Caríssimos irmãos e irmãs!

Quiseram as circunstâncias que este ano a bênção das pastas tivesse um modelo diferente do habitual, com tristeza para muitos finalistas da Universidade de Coimbra e do Ensino Superior desta cidade.

Viram-se igualmente os vossos pais e outros familiares privados de um dia de festa e altamente significativo para a história do seu cuidado em relação aos filhos, a quem amparam em tudo e também no seu percurso académico, preparação para uma vida, que desejam seja cheia de bênçãos e feliz.

Permitam que faça também uma referência especial aos vossos avós, esse reduto incomparável de ternura, não somente por ser hoje o dia de S. Joaquim e Santa Ana, mas sobretudo porque eles vêm em vós, seus netos, o fruto da fecundidade das suas vidas,  acompanham-vos sempre com o seu amor amadurecido e provado, todos os dias rezam a pedir a Deus a bênção para a família, mas sobretudo a pedir a bênção para vós. Pedem, com toda a certeza, neste dia, a Deus, a bênção das vossas pastas, o mesmo é dizer, a bênção das vossas vidas, e invocam, de todo o coração, a proteção da Imaculada Conceição, a padroeira da Universidade de Coimbra, para o vosso percurso futuro.

Também nós, aqui reunidos na capela de S. Miguel, docentes e alunos, autoridades académicas e familiares, representando todos os outros que gostariam de aqui estar e em comunhão com eles, pedimos a Deus que vos abençoe e à Imaculada Conceição, a Virgem Santa Maria, que vos proteja em todos os vossos caminhos.

Aos que nos acompanham pela transmissão televisiva deixamos a certeza de que os temos bem presentes e pedimos que aceitem o sacrifício de aqui não estar fisicamente como um sinal do cuidado que todos temos de ter uns para com os outros, um sinal da atitude de respeito e de serviço que queremos como marca da nossa fé e da nossa humanidade.

Tendes a graça de frequentar boas escolas, que vos oferecem a possibilidade de desenvolver os vossos dotes naturais e de progredir intelectualmente, realizando assim os sonhos de uma vida. Umas vezes de forma responsável e séria, como tantas vezes vos pediram em casa e na academia, outras vezes, porventura, desperdiçando oportunidades e capacidades, podereis ter cedido ao facilitismo de deixar correr o tempo e de permitir verdadeiros hiatos num percurso de vida em que todos os momentos e todas as fases são essenciais para a construção do grande edifício, da mais importante obra, que sois vós.

Hoje, é também o dia de reconhecer grandezas e debilidades, é também o dia de um compromisso adulto e responsável em ordem ao futuro. A história de cada pessoa contempla aspetos muito diversos, altos e baixos, mas deve comportar também a capacidade de corrigir objetivos, metas e erros, o desejo de se ancorar mais profundamente no sentido de construir personalidades mais completas, bem enquadradas pessoal e socialmente, decididas a ser um contributo feliz para toda a comunidade humana.

A escola, a academia, constituiu elemento estruturante do que sois. O percurso no caminho do conhecimento intelectual de caráter humanista, científico, tecnológico, enquanto possibilidade de desenvolvimento dessa dimensão humana que é a razão, dá-vos uma capacitação, que de outra forma não poderíeis ter. Seríeis, no entanto, meros tecnocratas, talvez extensas bases de dados se, ao mesmo tempo, não desseis lugar a um coração inteligente de que falava o Livro dos Reis. Também essa é dimensão igualmente essencial na construção de toda a pessoa. A Sagrada Escritura chama-lhe sabedoria, enquanto capacidade de distinguir o bem do mal, para poder discernir o que é bom e o que é justo, e livremente, seguir por aí.

Nesta celebração, que é também de gratidão, agradecemos-vos tantos sinais de sabedoria que manifestais e que caraterizam a vossa condição juvenil, quando sois capazes de sonhar para além dos desejos imediatos de longa vida, de riqueza, de competitividade, de poder, e acalentais a esperança de ser pessoas sábias e esclarecidas que querem respeitar, servir e amar o seu próximo. Agradecemos a vossa determinação e o vosso esforço no sentido de tornar o mundo melhor, confrontados como sois diariamente com inúmeros sintomas de vazio, de egoísmo e de injustiça que, energicamente e bem, reprovais.

Pedimos a Deus e pedimos-vos também a vós que o desfazer-se da juventude e o embrenhar-se nas atividades futuras e na dureza da vida não venham a tornar-vos insensíveis e desprovidos de um coração inteligente, tornando-vos incapazes de distinguir o bem do mal e fazendo de vós autênticos reféns da cultura do “vale tudo”. Pedimos que com o passar dos anos não deixeis definhar por inanição e envelhecimento as sementes de bondade e verdadeira sabedoria que Deus pôs dentro de vós, que a vossa família vos comunicou e que o conhecimento adquirido na escola ajudou a esclarecer.

Quando o Evangelho de Jesus nos fala do tesouro escondido no campo pelo qual está disposto a vender tudo quanto possuía, está a ensinar-nos que nada há de maior e melhor do que uma vida edificada no amor e na justiça. Ela exige escolhas em tudo: em primeiro lugar a escolha pela vida pessoal e dos outros; em segundo lugar o modo como a sonhamos e os valores que a preenchem.

Deus, é sem dúvida a maior decisão que se nos impõe, pois concentra em si as respostas a todas as perguntas que nunca nos abandonam acerca do que somos e das linhas chave que nos orientam. Tanto a pessoa mais simples e iletrada como aquela que progrediu nos caminhos da razão e da ciência, transportam em si esse tesouro, que importa conhecer, descobrir e trazer para a vida.

Quando fazemos a experiência de conhecimento e encontro pessoal com Ele por meio de Jesus Cristo, compreendemos o que dizia a Epístola aos Romanos: “Deus concorre em tudo para o bem daqueles que O amam”. Mesmo no meio de todas as debilidades e turbulências que nos podem afetar profundamente e transtornar o curso da humanidade, fica-nos a certeza de que Deus é o tesouro que nos leva a reorientar tudo para permanecermos n’Ele e na busca do Seu Reino.

Numa perspetiva mais concreta e no confronto com a realidade quotidiana, uma pessoa bem formada nos valores do Reino, confronta-se com a necessidade de decidir onde e como gastar a vida. Há campos em que as fronteiras são muito ténues, pois o confronto entre os objetivos a alcançar e os meios a utilizar fazem a diferença: a economia pode matar ou ser serviço ao bem de todos; a política pode ser lugar de poder ou ato de doação em favor da comunidade; o trabalho pode ser lugar de realização ou de confronto e luta feroz pelo domínio dos bens materiais; a escola pode ser espaço de crescimento na autonomia e nos valores ou laboratório de autómatos; a família pode ser lugar de partilha de vida ou campo de batalha de disputa de direitos; até a religião pode ser caminho de alienação ou de libertação.

Fica-nos a certeza de que Deus concorre em tudo para o bem daqueles que O amam. Este pode ser o lema fundamental da vida de cada jovem que agora entra no mundo após a sua formação académica: concorrer em tudo para o bem dos que Deus ama, isto é para o bem de todos, sabendo que é preciso começar pelos que estão ao nosso lado. Este pode ser o tesouro escondido que nunca deixareis de procurar, sem desistências e com humildade. A sociedade espera isso de vós e a bênção de Deus, que, hoje invocais será a vossa força e consolação.

Coimbra, 26 de julho de 2020
Virgílio do Nascimento Antunes
Bispo de Coimbra