Mensagem para a Quaresma de 2017

MENSAGEM DO BISPO DE COIMBRA PARA A QUARESMA DE 2017

COM MARIA, AO ENCONTRO DO RESSUSCITADO

 

A celebração do tempo santo da Quaresma aviva em nós a certeza da fé segundo a qual caminhamos animados pela presença do Senhor Ressuscitado. Todas as alegrias e dores da nossa vida pessoal, familiar e eclesial são vividas na esperança da ressurreição e da glória, cujas portas já nos foram abertas por Jesus Cristo, o Filho de Deus.

Convido, por isso, toda a comunidade diocesana de Coimbra a renovar a fé no Senhor que por nós sofreu a paixão e a morte, mas está vivo pelo poder de Deus e oferece-nos o caminho da Vida. Se permanecemos n’Ele, Ele enche de luz toda a nossa existência, todos os recantos do nosso ser; Se com Ele morremos, também com Ele ressuscitaremos.

A Quaresma deste ano de 2017, vivida no contexto do Centenário das Aparições de Fátima dá-nos a oportunidade de aprofundarmos o lugar da Virgem Maria no mistério de Deus e no mistério da Igreja. Podemos ver nela o modelo da fé, da escuta orante da Palavra de Deus e da caridade para com os irmãos. A companhia de Maria, disponível para fazer caminho connosco, é para a Igreja e para cada um de nós um precioso auxílio que não queremos desperdiçar.

 

Maria é o modelo para a nossa fé.

À voz do Arcanjo Gabriel, expressão da voz de Deus, responde com confiança: Faça-se em mim segundo a Tua palavra! Não conhece o futuro, não sabe onde aquela palavra a pode levar, mas, porque vem de Deus, rico de amor e de misericórdia, cujo desígnio é sempre de salvação, não hesita. Como Abraão, parte sem saber para onde, mas confiando que Deus lhe abrirá sempre caminhos novos e bons, pelos quais há de passar na sua peregrinação constante.

Não conhecemos o futuro, não sabemos onde o Senhor nos levará, mas confiamos, como ela, que a Sua vontade é que sejamos salvos, tenhamos a vida e a vida em abundância. A nossa peregrinação consiste em caminhar confiando e confiar andando, numa disponibilidade crescente para que sempre e em tudo se faça a vontade de Deus.

A Quaresma com Maria é uma peregrinação interior, pois a vida do crente é sempre uma caminhada baseada na fé e alicerçada na confiança no Deus que nos chama das trevas para a Sua luz.

A conversão pessoal é o sinal maior da autenticidade do caminho de fé que o Senhor nos propõe nesta Quaresma.

 

Maria é o modelo da nossa escuta da Palavra de Deus.

Ninguém como a Virgem Maria escutou, meditou, rezou e cumpriu de forma tão completa a Palavra de Deus. O Verbo de Deus encarnou no seu seio virginal por obra da graça e pela força do Espírito Santo, porque ela, na pureza do seu corpo, do seu coração e da sua vontade, a aceitou e acolheu livremente.

Grande parte da sua vida foi composta pelos longos silêncios em que considerava tudo atentamente no seu coração, o que compreendia e não compreendia, o que sabia e o que esperava, as alegrias e as dores. No silêncio orante podia sempre encontrar as respostas de Deus para as suas muitas perguntas, entrava mais profundamente no mistério da sua vida cruzada com o mistério de Deus, via abrirem-se horizontes novos para a sua ação.

A Quaresma com Maria é um lugar privilegiado de silêncio para a escuta orante da Palavra de Deus, para nos adentrarmos mais profundamente no mistério da nossa vida pessoal e comunitária que também se cruza com o mistério do Deus Altíssimo.

A leitura orante da Palavra de Deus, em Igreja e na companhia de Maria, é lugar da presença do Espírito Santo, que faz brilhar na nossa mente e no nosso coração a luz de Cristo que nos salva.

 

Maria é o nosso modelo de caridade com os irmãos.

A visita de Maria a Isabel, com nobres intuitos caritativos, tornou-se também um único momento de revelação da alegria que provoca sempre a presença de Jesus, o Filho de Deus já encarnado no seu seio.

A fé de Maria e a sua escuta da Palavra de Deus não foram nela realidades estéreis: abriram-na à caridade, pois a fé tinha de ser compromisso com o próximo e a Palavra tinha de dar frutos de amor.

“Minha Mãe e Meus irmãos são os que ouvem a Palavra de Deus e a põem em prática”, disse Jesus. Desse modo ultrapassou os limites das relações familiares para estabelecer laços espirituais entre todos os crentes; e convidou todos os que ouvem a Palavra de Deus a serem fecundos na prática da caridade, o seu mais precioso fruto.

A Quaresma com Maria leva-nos a alargar o coração a todos, faz-nos sair como ela ao encontro dos irmãos, particularmente dos mais necessitados no corpo ou no espírito, com gestos concretos de acolhimento, de consolação, de ajuda, de caridade. Para alguns, esses poderão constituir momentos de revelação do Deus de amor e de misericórdia que desconhecem, que procuram e que, por obra da sua graça, acabarão por encontrar.

 

Convido toda a comunidade diocesana a fazer uma séria caminhada quaresmal com Maria e numa Igreja de rosto mais mariano: confiantes na fé, guiados pela Palavra e comprometidos na caridade.

Informo que o produto da renúncia quaresmal que se recolher nesta Quaresma na Diocese de Coimbra será para ajudar uma instituição de acolhimento de crianças e jovens muito querida por todos nós, a Obra do Frei Gil.

Faço votos de que o Coração Imaculado de Maria seja o nosso refúgio neste tempo da Quaresma e nos conduza ao encontro com Cristo Ressuscitado.

 

Coimbra, 24 de fevereiro de 2017

Virgílio Antunes

Bispo de Coimbra

 

 

 

Plano Pastoral


Bispo Diocesano


Vaticano