- Hoje é
 
 
Home | Quem somos | actividades | Contactos  
Destaques
Recursos  | Documentos | Visitas | Links | Busca
 
 
Deus é Amor!          Aquele que ama conhece a Deus!               Aquele que ama permanece em Deus!          
 :: O dom da Vida
 :: Namoro
 :: Preparar o casamento: CPM
 :: Celebrar o matrimónio
 :: Crescer em família
 :: Rezar em família
 :: Catequese em família
 :: A educação dos filhos
 :: Aconselhamento Familiar
 :: Planeamento familiar natural
 :: Como posso ajudar?
 :: Movimentos Pastoral Familiar
 :: Boletins Informativos
 
EDUCAR OS FILHOS
 
Pais maus...

Autor desconhecido
 


Um dia, quando os meus filhos forem suficientemente maduros para entenderem a lógica que motiva os pais, hei-de dizer-lhes:
  • Amei-vos o suficiente para vos ter perguntado: onde vão? com quem vão? a que horas regressam a casa?
     
  • Amei-vos ao ponto de ter insistido convosco para que juntassem o vosso dinheiro de modo a poderem comprar uma bicicleta, ainda que eu tivesse possibilidade de a comprar
     
  • Amei-vos o suficiente para permanecer em silêncio e vos deixar descobrir que o vosso novo amigo não era boa companhia
     
  • Amei-vos ao ponto de vos fazer pagar a pastilha que tinham "tirado" da mercearia e para vos ouvir dizer ao dono: "Desculpe, eu tirei isto ontem e queria pagar..."
     
  • Amei-vos o suficiente para vos ter ficado de pé, junto de vós, durante duas horas, enquanto limpavam o vosso quarto (tarefa que eu teria realizado em 15 minutos)
     
  • Amei-vos o suficiente para vos ter deixado ver fúria, desapontamento e lágrimas nos meus olhos
     
  • Amei-vos o suficiente para vos deixar assumir a responsabilidade das vossas acções, mesmo quando as penalizações eram tão duras que me partiam o coração
     
  • Acima de tudo, amei-vos o suficiente para vos dizer NÃO quando sabia que me iríeis odiar por isso.

Estou contente! Venci!
Porque afinal vocês também venceram.

E, um destes dias, vocês hão-de responder aos vossos filhos quando eles vos perguntarem como eram os vossos pais: "Eram uns pais maus mas não eram maus pais!"

E vão poder dar-lhes muitos exemplos:

  • "Os outros miúdos comiam doces ao pequeno-almoço e nós tínhamos de comer cereais com leite, ovos mexidos e tostas.
     
  • Os outros miúdos, ao almoço, bebiam Coca-Cola e comiam batatas-fritas e nós tínhamos de comer sopa, legumes, hortaliças e fruta. E, nem vão acreditar, mas os nossos pais, ao contrário dos outros pais, faziam-nos comer sentados à mesa com toda a família.
     
  • Os nossos pais insistiam em saber sempre onde nós estávamos...
     
  • Os nossos pais queriam conhecer todos os nossos amigos, saber quem eram e o que fazíamos com eles.
     
  • Os nossos pais só nos deixavam sair de casa depois de lhes explicarmos o que íamos fazer. E às vezes não nos deixavam sair...
     
  • Os nossos pais quase violavam as leis do trabalho infantil pois tínhamos de fazer as nossas camas, arrumar os nossos quartos, ajudar a lavar a loiça e a aspirar a casa, aprender a cozinhar, esvaziar o lixo e todo o tipo de pequenos trabalhos.
     
  • Os nossos pais insistiam sempre connosco para lhes dizermos a verdade, apenas a verdade e toda a verdade.
     
  • Os nossos pais conseguiam ler os nossos pensamentos o que era muito chato...
     
  • Os nossos pais não permitiam que faltássemos às aulas e faziam-nos estudar todos os dias...
     
  • Os nossos pais só nos começaram a deixar sair à noite depois de  fazermos 16 anos, enquanto a maioria dos nossos amigos saía desde os 12 ou 13 anos.
     
  • Por causa dos nossos pais perdemos imensas experiências da adolescência: nenhum de nós esteve envolvido em assaltos, actos de vandalismo, violações de propriedade ou preso por crime. Tudo por culpa deles.
     
  • Hoje, já saímos da casa dos pais, somos adultos honestos e educados e estamos a fazer os possíveis por ser "pais maus" tal como os nossos pais foram connosco!"

Deus abençoe os pais maus!

 

©Copyright - Secretariado Diocesano da Pastoral da Família, 2004