Visita da Imagem de Nossa Senhora de Fátima - Nota Pastoral

 

Caríssimos cristãos da Diocese de Coimbra
Nossa Senhora ocupa um lugar muito especial na Igreja, nas comunidades cristãs, na nossa vida familiar e no nosso coração.
A Diocese de Coimbra é profundamente mariana e, desde as suas origens, sempre viveu a fé cristã sob a proteção da Mãe de Deus: dedicou a catedral a Santa Maria de Coimbra; elegeu a Imaculada Conceição como padroeira da Universidade; pôs sob a sua proteção igrejas e mosteiros; erigiu santuários, paróquias e capelas em todos os lugares; fizeram-se votos e promessas, cantaram-se louvores e hinos de gratidão.
Há uma grande história de culto mariano, devidamente enquadrado na tradição católica, que nos honra e nos compromete ainda hoje.

O centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima, que ocorre em 2017, dará à Igreja em Portugal e à nossa Diocese de Coimbra a oportunidade de avivar a matriz mariana do nosso modo de ser cristãos.
No último século, o acontecimento e a mensagem de Fátima trouxeram um novo calor a uma devoção tão longamente enraizada no povo português. Sobretudo estabeleceram uma ligação mais forte e mais visível ao centro da mensagem do Evangelho para o qual Nossa Senhora aponta incessantemente.
A visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima à Diocese de Coimbra, de 13 a 27 de setembro de 2015, constituirá um acontecimento mobilizador de toda a comunidade diocesana. Na sua passagem pelos dez arciprestados, de acordo com o programa estabelecido, ela encontrará multidões de fiéis a celebrar os mistérios da fé, sobretudo a Eucaristia e a Reconciliação, a adorar o Santíssimo Sacramento, a rezar o terço com amor, a caminhar em procissão de aclamação e louvor.
Como uma mãe de coração grande e aberto, ela convida todos os seus filhos a participar e a todos acolherá com amor para os conduzir à casa do Pai.

Esta peregrinação da Virgem de Fátima constitui um momento privilegiado para a evangelização da Diocese, de acordo com as linhas orientadoras do Plano Pastoral Diocesano. Para alguns será momento de encontro com Cristo por meio do primeiro anúncio; para outros ocasião de aprofundamento da fé pela catequese e pela liturgia; para todos, oportunidade de renovar o sentido de pertença à Igreja, este Povo de Deus que caminha unido à Santíssima Trindade, com Maria por imagem e modelo.
Enquanto Estrela da Evangelização, Nossa Senhora não deixará de tocar nos corações de homens e mulheres, crianças e jovens, para lhes mostrar o rosto misericordioso de Deus, atento aos sofrimentos de todos e disposto a elevar todos os que vivem sem alegria nem esperança. A piedade popular de caráter mariano, nas suas simples e genuínas manifestações de fé, tradição e cultura, se for devidamente evangelizada e centrada em Cristo, dará um imenso contributo para o acolhimento do Evangelho por parte de todos os que procuram a Deus pelos mais diversos caminhos.

Esperamos que esta peregrinação de Nossa Senhora pelos caminhos da nossa Diocese seja portadora de muitas graças e nos ajude na renovação da Igreja. Deixo a todos os cristãos da Diocese de Coimbra a indicação de alguns dos maiores desafios, que são, ao mesmo tempo graças a pedir por intercessão de Nossa Senhora de Fátima:

- a alegria de acolher o Evangelho por meio da liturgia, da lectio divina, da oração, da catequese, do estudo e da formação a fim de realizarmos a missão da Igreja, que consiste em evangelizar a todos;
- a alegria de pertencer a Cristo e ao Seu Corpo, que é a Igreja presente na Diocese, nas comunidades cristãs, nas paróquias, nas unidades pastorais, nos arciprestados, numa corresponsabilidade e comunhão que se acolhem e que se vivem com Deus e com os irmãos;
- a renovação do Sacramento da Reconciliação e do seu lugar na vida cristã, pois o reconhecimento do pecado pessoal e o acolhimento da misericórdia e do perdão de Deus são essenciais na caminhada da fé em ordem à santidade;
- a descoberta da oração familiar, nomeadamente da oração bíblica (lectio divina), e da oração mariana (o terço ou rosário), como meio de encontro quotidiano com Deus, de crescimento da fé da Igreja doméstica e de fortalecimento do amor e da comunhão entre todos os membros da família;
- o cultivo de todas as vocações na Igreja, com especial relevo para as vocações sacerdotais, pelas quais nos vem a Eucaristia e o perdão dos pecados, e que são um dom das famílias à Igreja e uma graça a acolher com gratidão.

Quando fui ordenado bispo, a 3 de julho de 2011, no Santuário de Fátima, consagrei a Nossa Senhora a totalidade da minha vida e o ministério episcopal que recebi para me dedicar ao serviço da Diocese de Coimbra. Aos beatos Francisco e Jacinta Marto pedi poderosa intercessão junto de Deus para que conduza o ministério que me foi confiado.
Já que recebi a graça e a missão de ser vosso pastor, convido-vos a partilhar o mesmo desejo de nos confiarmos como Igreja Diocesana de Coimbra à intercessão dos Beatos Pastorinhos e de nos consagrarmos totalmente a Maria.
Invoco sobre vós a abundância da bênção de Deus e a proteção materna de Nossa Senhora, na esperança de nos encontrarmos no mesmo louvor, a cantar o mesmo magnificat,  por ocasião da passagem da sua Imagem Peregrina pelo meio de nós.

Coimbra, 13 de agosto de 2015

Virgílio do Nascimento Antunes
Bispo de Coimbra